• Giovana Veiga

Mulheres na Gestão e na Ciência

A mulher teve, e tem, que lutar por todos os seus direitos e espaços na sociedade constantemente. Lutar para ser respeitada como ser intelectual, política e autônoma. Precisamos nos posicionar sempre de forma relevante para sermos ouvidas, reconhecidas e respeitadas.


Desde que o mundo é mundo as mulheres têm destaque no descobrimento de ciências e criações de métodos sem ganhar o devido mérito. Todos sabem que é Albert Einstein, Thomas Jefferson ou Galileu Galilei, mas poucos sabem quem são Katie Bouman, Dorothy Vaughan ou Madam CJ Walker que foram cientistas e gestoras que deveriam ter ganhado um imenso destaque pela sua incrível performance.


Katie Bouman, Dorothy Vaughan e Madam CJ Walker, respectivamente.

O feminismo é um movimento que luta pela igualdade de direitos entre homens e mulheres. A busca pela igualdade é um processo que se mostra presente desde os anos 60 e mesmo assim ainda precisa permanecer como pauta. Graças à ele, foi possível que a mulher conquistasse direitos como voto, casamento, divórcio, estudo e outros, mas ainda em 2020 ganhamos menos pela mesma posição, precisamos nos destacar muito mais para ter o mesmo reconhecimento e precisamos lutar sempre pelo nosso espaço de voz.


Em gestão não é diferente, quando se é uma mulher líder há uma linha muito tênue entre fala mansa e fraca, pulso forte e louca, autoconfiante e metida. A dificuldade que você enfrenta para ganhar o respeito dos seus liderados é imensamente maior que a de um homem, mesmo ele tendo um trabalho igual ou inferior ao seu, pois a sociedade está acostumada a seguir ordens de homens.


Recentemente, com o Covid-19 tivemos a oportunidade de ver algumas mulheres de destaque em gestão observando os países que obtiveram mais êxito no controle da situação emergencial do Coronavírus. Os países que se encontram no topo da lista foram Alemanha, Nova Zelândia, Finlândia, e Dinamarca - todos liderados por mulheres.


Comparação de casos a cada 1 milhão de habitantes.

Uma das líderes que se destacou fortemente foi a primeira ministra da Nova Zelândia Jacinda Ardern que conseguiu passar para a população a gravidade da situação, respondendo perguntas e dúvidas com ajuda de cientistas e pesquisadores durante a pandemia. Com isso, o país teve em torno de apenas 1100 pacientes confirmados com a doença até o momento e pouquíssimas mortes, mostrando-se o melhor país no que se trata do controle da doença, enquanto o Brasil se encontra atualmente com 32.000 casos (dado de 5/06/2020).


Outros exemplos de mulheres que se destacam atualmente, encontram-se Malala, uma jovem paquistanesa que ganhou um Nobel da Paz pela sua luta pelo direito das mulheres à educação em seu país, onde havia uma lei de proibia as meninas o acesso às escolas. Katie Bouman, um grande exemplo de gestora, foi a mulher na liderança da equipe que criou o algoritmo capaz de obter a primeira imagem de um buraco negro.


Malala ao receber o Nobel da Paz.

Mesmo assim, com mulheres tendo um alto sucesso nos campos organizacionais/políticos, científicos, matemático e outros, elas continuam sendo subestimadas, diminuídas e caladas.

Se você é mulher com certeza você já foi interrompida muito mais de uma vez em uma argumentação com um homem o qual busca te explicar o que você quer dizer, ou repetir o argumento o qual você rebate; ou teve que dizer a mesma coisa mais de três vezes para ser ouvida; não foi levada a sério ou, no pior dos casos, foi insultada através de um """elogio""".


Na UFRJ Nautilus, buscamos que as mulheres sejam ouvidas e respeitadas, onde atualmente temos 3 membras na coordenação, uma gestão majoritariamente feminina e 6 divididas pelas nossas áreas técnicas, totalizando 12 mulheres na equipe.


Ana Beatriz, Ana Clara, Cecília, Gabriela, Giovana, Giulia, Karen, Lara, Lara, Mariana, Marina e Wenya

Damos voz à nossas mulheres e espaço para que tenham ideias, efetivem e sejam reconhecidas e queremos sempre ver mais mulheres no campo da ciência, gestão e em posições de destaque.


Escrito por Giovana Veiga e Lara de Assis.